Seguidores

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

JORGE AMADO: um dos principais escritores da literatura brasileira


Jorge Amado nasceu em 10 de agosto de 1912, na fazenda Auricídia, em Ferradas, município de Itabuna (Bahia). Filho do "coronel" João Amado de Faria e de Eulália Leal Amado, foi para Ilhéus com apenas um ano e lá passou a infância e descobriu as letras. A adolescência, viveria em Salvador, no contato com aquela vida popular que marcaria sua obra. Aos 14 anos, começou a participar da vida literária de Salvador, sendo um dos fundadores da Academia dos Rebeldes, grupo de jovens que juntamente com os do Arco & Flecha e do Samba desempenhou importante papel na renovação das letras baianas. Entre 1927 e 1929, foi repórter no "Diário da Bahia", época em que também escreveu na revista literária "A Luva". Estreou na literatura em 1930, com a publicação da novela "Lenita", escrita em colaboração com Dias da Costa e Édison Carneiro.
Seus primeiros romances foram "O País do Carnaval" (1931), "Cacau" (1933) e "Suor" (1934). Formou-se em ciências jurídicas e sociais na Faculdade de Direito no Rio de Janeiro (1935), mas nunca exerceria a profissão de advogado. Em 1939, foi redator-chefe da revista "Dom Casmurro". De 1935 a 1944, escreveu os romances "Jubiabá", "Mar Morto", "Capitães de Areia", "Terras do Sem-Fim" e "São Jorge dos Ilhéus". Em parte, devido ao exílio no regime getulista, Jorge Amado viajou pelo mundo e viveu na Argentina e no Uruguai (1941/42) e, depois, em Paris (1948/50) e em Praga (1951/52).
Voltou para o Brasil durante o segundo conflito mundial, redigiu a seção "Hora da Guerra" no jornal "O Imparcial" (1943/44). Mudando-se para São Paulo, dirigiu o diário "Hoje" (1945). Anos depois, no Rio, participaria da direção do semanário "Para Todos" (1956/58). Em 1945, foi eleito deputado federal por São Paulo, tendo participado da Assembléia Constituinte de 1946 (pelo Partido Comunista Brasileiro) e da primeira Câmara Federal posterior ao Estado Novo. Nessa condição, foi responsável por várias leis que beneficiaram a cultura.
De 1946 a 1958, escreveria "Seara Vermelha", "Os Subterrâneos da Liberdade" e "Gabriela, Cravo e Canela". Em abril de 1961, foi eleito para a cadeira número 23 da Academia Brasileira de Letras (sucedendo a Otávio Mangabeira). Na década de 1960, lançou os romances "A Morte e a Morte de Quincas Berro d'Água", "Os Velhos Marinheiros, ou o Capitão de Longo Curso", "Os Pastores da Noite", "Dona Flor e Seus Dois Maridos" e "Tenda dos Milagres". Nos anos 1970, viriam "Teresa Batista Cansada de Guerra", "Tieta do Agreste" e "Farda, Fardão, Camisola de Dormir".
Suas obras foram traduzidas para 48 idiomas e adaptadas para o cinema, o teatro, o rádio, a televisão e até as histórias em quadrinhos, não só no Brasil, mas em Portugal, França, Argentina, Suécia, Alemanha, Polônia, Tchecoslováquia, Itália e Estados Unidos. Seus últimos livros foram "Tocaia Grande" (1984), "O Sumiço da Santa" (1988) e "A Descoberta da América pelos Turcos" (1994). Sua esposa, Zélia Gattai, é autora de "Anarquistas, Graças a Deus" (1979), "Um Chapéu Para Viagem" (1982), "Senhora Dona do Baile" (1984), "Jardim de Inverno" (1988), "Pipistrelo das Mil Cores" (1989) e "O Segredo da Rua 18" (1991). O casal teve dois filhos: João Jorge e Paloma. Jorge Amado morreu perto de completar 89 anos, em Salvador. A seu pedido, foi cremado, e as cinzas, colocadas ao pé de uma árvore (uma mangueira) em sua casa.

4 comentários:

marcinha disse...

Mell
Tá se puxando no blog....Em poucos dias, ele tá cheio de informações. Que bom! Fico contente
bjs

Spinelli disse...

Muito bom, Mell... parabéns pra ti e pra ele...
Beijo

SONINHA PORTO disse...

Mellzinha maravilhosa!

marcinha disse...

Mell
Fiquei mais feliz ainda agora pq a Soninha botou glitter nas nossas fotos....Poderosas!!!