Seguidores

quinta-feira, 19 de junho de 2008

ANIVERSÁRIO DE CHICO BUARQUE

Hoje, dia 19 de junho de 1944, meu ídolo de adolescente completa 64 anos, nasceu no Rio de Janeiro e creio, que além de mim, todo o mundo acha ele um dos maiores compositores brasileiros. Ele está desde sempre na minha vida, no meu canto e me encanta com suas músicas, que são pura poesia. Eu assistia aos festivais da Record, e no Festival de Música Popular Brasileira, em 1966, lembro quando ele venceu com A Banda ... Estava à toa na vida, o meu amor me chamou, pra ver a banda passar, cantando coisas de amor...
Pois é, em TV preta e branca, fui atingida ali mesmo, na hora, pela paixão aos belos olhos verdes daquele moço e eu cantava com todo o gosto a doce música que embalou meus sonhos de menina. Parabéns! Deixo aqui duas canções que mais aprecio e que considero obras primas em versos:

Gente Humilde

Garoto/Vinícius de Moraes/Chico Buarque (1969)

Tem certos dias
Em que eu penso em minha gente
E sinto assim
Todo o meu peito se apertar
Porque parece
Que acontece de repente
Feito um desejo de eu viver
Sem me notar
Igual a todos
Quando eu passo no subúrbio
Eu muito bem
Vindo de trem de algum lugar
E aí me dá
uma inveja dessa gente
Que vai em frente
Sem nem ter com quem contar

São casas simples
Com cadeiras na calçada
E na fachada
Escrito em cima que é um lar
Pela varanda
Flores tristes e baldias
Como a alegria
Que não tem onde encostar
E aí me dá uma tristeza
No meu peito
Feito um despeito
De eu não ter como lutar
E eu que não creio
Peço a Deus por minha gente
É gente humilde
Que vontade de chorar

Mulheres de Atenas

Chico Buarque/Augusto Boal (1976)

Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas
Vivem pros seu maridos, orgulho e raça de Atenas
Quando amadas, se perfumam
Se banham com leite, se arrumam
Suas melenas
Quando fustigadas não choram
Se ajoelham, pedem, imploram
Mais duras penas
Cadenas

Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas
Sofrem pros seus maridos, poder e força de Atenas
Quando eles embarcam, soldados
Elas tecem longos bordados
Mil quarentenas
E quando eles voltam sedentos
Querem arrancar violentos
Carícias plenas
Obscenas

Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas
Despem-se pros maridos, bravos guerreiros de Atenas
Quando eles se entopem de vinho
Costumam buscar o carinho
De outras falenas
Mas no fim da noite, aos pedaços
Quase sempre voltam pros braços
De suas pequenas
Helenas

Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas
Geram pros seus maridos os novos filhos de Atenas
Elas não têm gosto ou vontade
Nem defeito nem qualidade
Têm medo apenas
Não têm sonhos, só têm presságios
O seu homem, mares, naufrágios
Lindas sirenas
Morenas


Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas
Temem por seus maridos, heróis e amantes de Atenas
As jovens viúvas marcadas
E as gestantes abandonadas
Não fazem cenas
Vestem-se de negro, se encolhem
Se conformam e se recolhem
Às suas novenas
Serenas

Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas
Secam por seus maridos, orgulho e raça de Atenas

Por sugestão de Eilan, que assino embaixo:

Construção

Chico Buarque (letra e música - 1971)

Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a última
E cada filho seu como se fosse o único
E atravessou a rua com seu passo tímido
Subiu a construção como se fosse máquina
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo num desenho mágico
Seus olhos embotados de cimento e lágrima
Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou como se ouvisse música
E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acbou no chão feito um pacote flácido
Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego

Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a única
E cada filho seu como se fosse o pródigo
E atravessou a rua com seu passo bêbado
Subiu a construção como se fosse sólido
Ergueu no patamar quatro paredes mágicas
Tijolo com tijolo num desenho lógico
Seus olhos embotados de cimento e tráfego
Sentou pra descansar como se fosse um príncipe
Comeu feijão com arroz como se fosse máquina
Dançou e gargalhou como se fosse o próximo
E tropeçou no céu como se ouvisse música
E flutuou no ar como se fosse sábado
E se acabou no chão feito um pacote tímido
Agonizou no meio do passeio náufrago
Morreu na contramão atrapalhando o público

Amou daquela vez como se fosse máquina
Beijou sua mulher como se fosse lógico
Ergueu no patamar quatro paredes flácidas
Sentou pra descansar como se fosse um pássaro
E flutuou no ar como se fosse um príncipe
E se acabou no chão feito um pacote bêbado
Morreu na contramão atrapalhando o sábado

2 comentários:

Eilan disse...

As músicas escolhidas estão entre as mais sensíveis e maravilhosas. Não se pode esquecer Construção, que considero sua obra-prima.
Parabéns ao Chico pelo aniversário. Que seu espírito continue iluminado para que possa continuar cantando em seus versos as coisas simples da vida.

tecendo arte na rede disse...

Sim Eilan, Construção é sem dúvida uma obra prima, mas escolhi as que mais me tocam o coração, mas obrigada pela lembrança, vou postar construção especialmente para você e para deleite de todos os leitores. Beijus.