Seguidores

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Eu passarinho

Quando me mataram,
Pela décima vez,
Eu era um jovem talento,
Ainda desconhecido.
Hoje estou velho,
Com o rosto esmaecido,
Agora, já me conhecem um pouquinho,
Só que me matam devagarzinho..

Uma pequena homenagem ao gigante poeta Mario Quintana. Poema selecionado nos poemas no Ônibus de Gravataí /RS.

Um comentário:

Stella Vives disse...

Ótima idéia e achei lindos os poemas do onibus. Parabéns, Ziegler.